segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

1a aula de ballet e medo

Na quarta feira levei a Be para fazer a aula de ballet na tal escola perto de casa. A escola é o maximo. PROFISSIONAL com letra maiuscula. Eles respiram ballet e posso adiantar que a aula, embora recreativa, ja demostrava sinais claros de cosciencia corporal, comandos e alguns passos, como o plie e primeira posicao. Tudo muito, muito sutil.
Aula lotada, bombando.
Durava 50 minutos, os quais fiquei na porta babando, junto com outras maes.
Achei curioso perceber que no meio da aula a Bia estava conversando com outra crianca. Elas se identificaram logo e estava brincando, conversando - sabe-se la o que. rsrsrsrsrs
Puxou a mae, porque logo ingressei uma conversa com outra mae.
- É a primeira aula de ballet da minha filha, disse eu.
- Ah, vc vai se apaixonar! Eu faço aula aqui, minha mais velha e aquela é a minha mais nova. A escola é o maximo. A apresentação é impecavel. A unica parte ruim é o segundo semestre, porque fica muito tenso por conta da apresentação.
- A sua turma né? Mas das meninas não.
- A escola toda. Não pode faltar a partir de setembro.

Ela me explicou, inclusive me mostrou as fotos. Realmente, a apresentacao era impecavel. Eles nao estavam ali de brincadeira, a apresentacao do fim de ano era a vitrine deles e uma crianca de tres anos não poderia fazer pouco. Eles eram profissionais e cobravam uma postura profissional de todos. Das maes e das criancas.

Era mesmo isso que eu queria?
Me doeu.
Expor Beatriz a esse stress todo?
Aos tres anos, a ultima coisa que eu quero é que ela tenha cobranças.

Senti que na hipotese dela se identificar no ballet e querer segui-lo, seria ali que eu voltaria. Mas nesse momento...nao.
Hoje a Be vai ter uma aula teste no ballet do clube.

Vai almocar no clube, dormir la e busco ela. Troco, a levo para a aula com a coleguinha de sala e então retornaremos para casa.
...

Estando ali na escola de ballet ou no clube, muitas vezes me sinto numa ilha.
Embora esses dias estejam muito quentes, na escola tinha um ar condicionado com a temperatura agradavel.
Ao meu redor, babas de branco com as criancas de rosa.
No ambiente, tocava aquela musica classica tipica de ballet.
Sai de la, caminhei poucos passos ate meu carro.
Segurei a bia. Segurei minha bolsa. Olho ao redor antes de abri-la e entao abro, pego a chave do carro e coloco a Bia dentro, com cadeirinha e cinto de seguranca o mais rapido possivel.
Nao podemos dar bobeira.
Ja falei aqui o medo que sinto?
Ja falei que ando de vidro fechado?
Ja falei que o ma insiste para que eu ande de carro blindado? (eu prefiro o sem blindagem porque me da uma certa claustrofobia, fora que acho que o blindado chama mais atencao)
Entramos rapido no carro e voltamos para casa.

Na volta da escola da Bia, passamos todos os dias pela Av Helio Pelegrino. Ali esta sempre parado, em frente ao quartel dos bombeiros. O ma ja foi assaltado ali. Fico ali dez minuto, todos os dias.
Do outro lado da rua, uma famila mora la, e deixa ao redor placas escritas que precisam de fraldas, leite, comida, roupas.

Aquilo me embrulha o estomago. É uma questao tao complexa que raramente eu exponho no blog, para nao ser polemica.
Eu tambem preciso de muitas coisas.
E aquela familia imensa tem muitos adultos capazes de sair para trabalhar.
E ha pouco trabalho.
Ha pouca oportunidade.
Mas sempre ha grama para ser aparada. Carro para ser lavado.
Cresci ouvindo que o trabalho dignifica.
E ha uma grande parcela de encostados, que acreditam que os que tem mais - ainda que esses tenham conseguido algo atraves de seu suor - devam repartir com os que tem menos.
Assalto.
Violencia.
Inseguranca.
Manifestacoes de sem teto que invadem predios. Invadiram um predio que aguardava alvara de demolicao na prefeitura. O predio fica na marginal pinheiros, logo atras do shopping iguatemi, no bairro jardim paulista. O metro quadrado de la deve ser uns 15-12mil.
Porra, entao vc rala pra caramba para comprar um apartamento, paga 12mil no metro quadrado e na semana seguinte tem um predio invadido ao seu lado. TROXA.
E nao da para sair na rua.
Impossivel comprar um pao a pe.
Medo.

Saio com a Bia a pe aqui nos nossos quarteiroes. Bia, da a mao.
Quando estamos em alguma loja e estou com as maos ocupadas, Bia, segura na minha perna.
Nunca paro perto da porta.
Sempre sento a Bia nos restaurantes longe da porta.
Ando com uma especie de panico crescente.
Nunca fui medrosa. Pelo contrario.
Mas nao sossego mais. Tenho medo.
Medo de ser assaltada.
Medo que me roubem a Bia.
Andaram falando sobre trafico de orgaos.

Medo me ronda.

Sempre que preciso ir a 25 de marco, e vou pelo menos todos os meses, sempre paro com os manos. Acho o estacionamento um roubo e onde moro, nao compensa ir ate um metro. Entao sempre parei com os manos. Eles poe a zona azul e caso nao precise, cobram 7 reais. Costumo ser bem rapida, raramente, ultrapasso esse valor. Sempre paro com os guardadores nesse locais mais cheios: rua santa rosa, bras (quando eu ia comprar uniformes para a empresa), 25.
Dia desses, ouvi de um deles, pela primeira vez: cuidado com a bolsa.

Uso uma bolsa tiracolo, dessas que da para cruzar na frente. Minima. Chave do carro, escova de dentes, carteira, celular. De ziper.

Ja nem me lembro mais a ultima vez que usei uma bolsa grande.

Que carreguei mais que cinquenta reais na carteira.

Que usei uma joia.

Comeco a me perguntar se é essa a vida que quero para Beatriz.
Uma vontade de ir embora do meu pais, da minha cidade, me invade e me domina, pela primeira vez.







quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Ingles, ballet e natacao.

Dia desses percebi como eu sou intensa.
Sou intensa em tudo.
Mergulho. Abraço. Vivo aquele dilema, aquela pesquisa.
Não sei ser diferente.

Nas vesperas de comecarem as aulas na escola nova, comecaram a me brotar duvidas e duvidas e duvidas.
Vivi o luto da perda da escola que eu gostava de forma que so fui tirar os uniformes vermelhinhos do armario no dia que as aulas comecaram. Deixei os uniformes azuis novos em cima da mesa da sala por quase uma semana. Não pensei na escola nova, na nova rotina, em nada.
Curti as ferias como se ela fosse voltar para a escola dela.
Eu dentro da minha zona de conforto.

Bia vai estudar na escola que fica dentro do clube. Entrego no predio da escola e busco no predio da escola as 12:00.
Mas das 8 as 12 em sp pouco se faz, demoro meia hora de trajeto para ir e mais meia hora para voltar. Preciso que ela fique algum dia a tarde.
A escola tem tercas e quintas a opcao a tarde com ingles. Busco na escola, no predio da escola, com as professoras da escola.
Mas custa uma fortuna.
E ja viram as tais professoras de ingles falando em portugues com as criancas. Parece que não é nenhum toefel.
Vejam: não acho que aos tres anos tenha que ser toefel, mas estou pagando BEM caro. Alias, mais caro do que a top Red Ballon, que tem uma unidade do lado de casa.
Resolvi repensar.
Colocar a Be no ingles fora da escola, na escola mais forte de ingles.
E a mais forte seria mais barata tambem.
Mas dai eu buscaria na hora do almoco.
Sai, busca, almoca, leva, espera e volta. Aff. Cansei. Mas e o melhor para ela.
E dai ela pode fazer ballet ou natacao no clube.
Esportes no clube, nada mais obvio.
E no clube, ela fica com os professores do clube, dentro do clube. deixo na escola, passam a bola para o clube, busco dentro do clube. O Clube, embora não seja imenso, para a idade dela, é bem grande.

Mas quem a levaria? Quem a trocaria? Colocaria o colant, a meia calca, faria o cabelo? E quem a secaria quando saisse da piscina? Como sera quando chegar o inverno?
Todas as criancas fazem no clube.
Os professores e assistentes cuidam, fazem, levam.
Mas me lembrei de quando eu era crianca e passava as tardes sozinha no clube. Me sentia sozinha. Era muito ruim.
Não quis isso para a minha filha.
Nao foi o que eu sonhei.

Coloquei-a no ingles da escola. Ela ja estava matriculada mesmo.
Ela pode brincar com os outros amiguinhos da escola antiga, pois eles juntam as salas. Logo no segundo dia fiz a experiencia, e ela voltou tão feliz! Acho que ela mesma decidiu. Vai ficar com o ingles mais fraco nesse inicio. Com a opcao mais cara, e a mamae vai ter duas tardes livres para poder voltar a fazer um curso.

E vou levar ela para fazer aula de ballet e de natacao. Uma hora cada. Vamos experimentar. So espero que não fique puxado demais. Prezo muito pelas horas livres, ainda mais nessa idade.
Vamos tocando e dai vejo como sera.





Dentista

Meninas,

tudo bem?

As ferias terminaram, fiz pouquissimos "programas legais" com a Bia mas nos curtimos muito.
As aulas comecaram na escola nova a adaptação é muito mais minha do que da Bia. Ela esta super bem, contente em ir para a escola, feliz com os amiguinhos e a professora.
E logo no primeiro dia de aula dela eu finalmente a levei ao dentista.
E tive um susto, porque ela esta com caries.
E fica aqui meu relato.
Quando Bia estava com 2 anos, os amiguinhos comecaram a ir ao dentista. Foi quando liguei para a minha dentista. A maioria das pessoas que conheço ja mudaram de dentista, mas eu tenho a mesma desde sempre. Minha ficha comeca aos tres anos e segue ate os dias de hoje.
A Vera era odontopediatra, então fui nela para mostrar ainda meus dentes de leite. Embora eu tenha tido sempre muitas caries quando pequena (tem gente que tem essa pre disposicao), nunca mais tive nada com os permanentes. Vou a cada 6m/1ano e faco a limpeza e a manutencao do que precisa.
Liguei la, e marquei a primeira consulta para a Bia. "Thais, a partir de tres anos apenas"; Confio na Vera, aguardei.
Quando a Bia estava com 2 anos e meio, a amiguinha teve carie, achei melhor ligar la.
"Thais, a partir de tres anos apenas"
Bia fez tres anos em dezembro, e ela bateu a boca.
Eu estava dando banho nela, e fui ensaboar o bumbum. Ela não queria, puxou para o outro lado, desequilibrou e bateu o dente da frente, superior. TUM. Barulhao seco, chorou a beça, mas o dente nem quebrou nem trincou.
Olhei bem no dia seguinte e ele estava lindao. Ufa.
Quinze dias depois, ele passou a escurecer dia a dia, quando eu liguei na Vera.
"Estourou uma veia dentro do dente, esta escurecendo porque "vazou" sangue, e isso mancha o dente. Se ele esta bem preso nao ha o que se preocupar, mas e bom trazer e tirar um raio x para acompanhar o crescimento do permanente."
UHUUUU

FINALMENTEEEE eu estava liberada para levar Beatriz na dentista!!!

Esperei a data da consuta - a Vera tem uma agenda lotada - e quase vinte dias depois do telefonema, la fui eu levar minha pequena. A Vera me explicou que com tres anos a crianca ja tem um entendimento maior para ficar sentada parada com a boca aberta. Ela acha que antes disso poderia traumatizar a crianca, por isso nao via necessidade.
Aham.
Bia abriu a boca e a vera ficou branca.
Thais, a menina esta cheia de carie!
oi??
Carie, Thais, olha aqui. E foi me mostrando os buracos.
Sai da sala, fui marcar outros horarios - mais 4 novos horarios para cada carie- e minhas pernas estavam bambeando.
Na frente da Bia nao falei absolutamente nada.
Estava transtornada.
A noite, coloquei a Be para dormir e então chorei. E nem consegui dormir.
Os dentes careados são os molares, que nasceram ha seis meses.
Vou em outra dentista.

Como confiar na Vera?

falei com minha amiga que é odonto. Ela me recomendou levar a Be em uma odontopediatra da atualidade, daquelas que se vestem de fada e são rapidas e ludicas. Sera menos sofrido e menos traumatico para Beatriz.

Como confiar na fada?

Deixei passar mais um dia e ponderei.
A Vera pisou na bola, é fato.
A minha ultima ligação foi em julho, quando a Be ainda nem tinha os dentes que estão careados.
se eu tivesse ido la, ela teria passado fluor, o que poderia ter evitado a carie.
Se
Odeio esse SE.
Fato é que eu não fui.
E a boca da menina ta esburacada. Vamos tratar. Vou ficar em cima. Aprendi a lição.

EU sou a mãe. Eu tenho meus feelings e dane-se quem disser o contrario. Me chamem de louca, mas quando eu tiver meus feelings vou segui-los.

E não consigo confiar na fada.

Liguei na Vera, soltei os cachorros, disse que poderiamos ter evitado isso se eu tivesse a levado quando eu pedi, mas que eu confiava no servico dela, e que queria antecipar as consultas. Agenda lotada, nao consegui antecipar muita coisa, mas vou nela.

Conselho do post: facam a preventiva no dentista.
Sigam seus instintos.