sexta-feira, 17 de junho de 2016

kalunga

Fica a reflexao:

entrei na kalunga com pressa, para comprar um cartucho de tinta para a impressora de casa. Ao lado do cartucho, massinhas de modelar.
beatriz pegou uma massinha rosa e seguimos para o caixa.

Na kalunga a fila do caixa é um estreito de bugingangas. Bia segurando sua massinha, eu meu cartucho e uma mae que seguia com seus dois filhos estava parando nas bugingangas. Ela resolveu entao que me deixaria passar, ja que eu estava decidida e ela nao. Ela puxava um carrinho, e estava com a filha dela de 9 anos com outro carrinho.
gentilmente ela foi para a esquerda e empurrou o carrinho para que eu passasse no centro.
A filha ficou na direita com o outro carrinho e de fato, so se eu pulasse a menina eu passava.
"vc quer que a moca faca ziguezague?? Tira seu carrinho para ela passar, fulana. Voce esta atrapalhando as pessoas"

Embora ela estivesse dando o bom exemplo de me passar na frente, falou de forma pesada com a filha. Mostrou o quanto a filha estava errada, enquanto ela poderia ter mostrado de outra forma.

Decididas, elas seguiram para a fila e pararam atras de mim no momento em que a Beatriz resolveu trocar sua preciosa massinha rosa por um incrivel pacote de mms.

"filha, vc nao vai levar os dois. se quer os mms, deixa a massinha na prateleira"
Beatriz fez a troca dela, e logo a menina de tras pediu um chocolate para a mae, que respondeu em alto e bom tom:

'DOCES E CHOCOLATES, SO AOS FINAIS DE SEMANA, FULANA"

Suspirei e pensei o quanto ela estava certa, e enquanto eu ponderava a possibilidade de implementar uma regra dessas, a menina foi, novamente repreendida duramente pela mae.

E eu sai da kalunga com uma menina de dois anos segurando um pacote de mms, em pleno dia de semana, mas me sentindo uma boa mae. Melhor liberar o doce e cuidar do EMOCIONAL da minha filha do que proporcionar uma alimentacao equilibrada, doces somente finais de semana e pequenas doses de baixa autoestima diarias.




Amigos da escola

eu precisooooo escrever!!!!!
De uns tempos para ca, vejo o blog como uma legado que deixarei para a Beatriz. E hoje, esse ultimo mes aconteceram fatos que vao formar a personalidade e infuenciar no comportamento dela.
...
No ano passado, ela tinha dois melhores amigos: Felipe e Sophia. No inicio desse ano, a sala foi dividida, entraram novos alunos e ela foi separada dos dois melhores amigos de forma cruel e avassaladora. Pelo menos, na epoca, fio assim que vi. Sofri por isso. Mas a professora me prometeu que seria bom.
No inicio ela procurava bastante pela Sophia, mas logo ela fez nova amizade. E dei razao a professora. E se tornou tao amiga da Nicole que chegou a me preocupar.
Brincavam de Ana e Elsa.
Bia atendia por Elsa e Nicole atendia por Ana.
Bia apontava para a imagem da frozen e dizia: "eu e nick"
No cafe da manha, levava um pote com duas bolachas. Uma para mim, outra para Nick. Faco gosto pela amizade das duas, os pais dela sao muito boa gente. Mas comecei a oferecer para ela levar mais bolachas para a escola. "leva para a Lelinha, ela é sua amiga tambem"
"nao, a nicole é a minha amiga"
E por muitas manhas, colocava mais bolachas no pote, mais adesivos na mochila, para que ela desse os tesouros para a Nicole e para outros amigos tambem.
Cheguei inclusive a mencionar com a coordenadora e com a mae da Nicole a minha preocupacao com essa exclusividade.
Tudo vinha acontecendo bem, ate que a Beatriz comecou a ter mudancas de comportamento. Queria dormir com a gente, passou a exigir mais a minha presenca. Passou a resistir de ir para a escola, e a chorar quando ia a deixar.
No ano passado, na adaptacao, nao houve resistencia.
No inicio do ano tambem nao.
Ela ja estava adaptada e acostumada. Gosta das professoras e todos os funcionarios da escola.
Dai me lembrei do que havia lido: a fase do terrible two. Terrible mesmo.
Medindo forcas, testando limites. De duas semanas para ca, como os livros alertavam, a chavinha mexeu. Ela mudou bruscamente de comportamento.
...
As salas tiveram suas reunioes semestrais com os professores, mas a nossa sala nao teve. Nossa professora ficou um tempo afastada com dor nas costas e com isso nossa reuniao foi remarcada e aconteceu somente hoje, no final do semestre.
Comentei com a professora que essas semanas estavam sendo crueis e tals, e na conversa ela me falou toda contente que a be estava agora se envolvendo com outras criancas.
Nicole, que vinha sendo a BFF dela, se cansou.
"nicole esta procurando sentar distante da bia, evita ela, e entao agora a Beatriz esta brincando com as outras criancas"
Sim, é otimo.
Fico realmente feliz que ela esteja brincando com outras criancas.
Mas entao notei que a fase que entendi que fosse terrible two, foi quando ela experimentou pela primeira vez a rejeicao. Foi Beatriz sendo evitada. Foi Beatriz tendo suas vontades, seus desejos frustrados.
E antes que achem que a Nicole esta errada... ambas tem dois ano de idade. Por N vezes Beatriz empurrou amiguinhas que ela nao queria tambem. Por N vezes Beatriz disse que essa nao é a minha amiga, eu nao quero brincar com ela, eu nao quero ela.
Nao possamos intervir. É a personalidade de ambas que esta se moldando se formando, se mostrando. E ambas tem o direito de se expressarem.
Mas minha filha tao amada nao soube me dizer que foi rejeitada. E eu, embora sempre tao atenta, nao soube diagnosticar.
Sai da reuniao com mil coisas na cabeca, mas a certeza de que com muito amor, e muita consciencia, vou formar um individuo capaz de sentir empatia. Capaz de ser amigavel, de fazer amizades verdadeiras, de cultiva-las, e saber dividi-las.
Para as ferias, minha licao de casa sera: trabalhar a diversidade de amigos. Alias, sugestao da professora é: "nao use mais a palavra amigo". Para ela, amigo é so uma, a BFF. Procure palavras mais amenas.
Encontrei-a hoje, quando fui busca-la, no brinquedao da escola.
Ela, Sophia e Felipe, sentados na casinha em cima do escorregador. Aos dois anos, ela voltou a origem, aos amigos queridos, e teve a alegria de ser recebida por eles com os bracos abertos.