domingo, 31 de agosto de 2014

A historia da Coragem - parte final


O grande dia

Como estava enorme e não estava aguentando mais...a Dra. antecipou o meu parto uma semana a minha pressão estava muito alta e ela estava com medo devido a todos os problemas que eu já havia tido...meu parto foi marcado para o dia 07/02/2014...e este dia foi o dia mais feliz da minha vida...
Chegamos no hospital com duas horas de antecedência...eu com meu barrigão enorme...mais mega tranquila... subimos para o apartamento...me troquei e logo me chamaram para ir a sala de cirurgia...chegando lá a equipe que eu já estava mais do que acostumada...brincaram comigo...e relaxei... nisto meu marido chegou...senti um alivio tão grande quando ele entrou na sala...pensei: “Agora pronto tudo esta perfeito”... o parto não durou mais que 15 minutos...quando ouvi o primeiro chorinho da Amanda....Ah!!! que emoção no mesmo momento meu coração se encheu de amor...e felicidade...na sequencia veio o Gabriel...sentir os dois perto de mim...olhar para a carinha deles...senti o cheirinho deles...tocar em suas mãos...é uma sensação inexplicável...é uma amor que parece que não cabe no peito...e hoje quando lembro de tudo o que passei...de tudo o que lutei.. penso que passaria tudo de novo dez vezes se necessário...pois valeu a pena tudo...somente para olhar nos olhos e pegar no colo a Amanda e o Gabriel....obrigada meu Deus por trazer meu milagres para mim.

sábado, 30 de agosto de 2014

A historia da Coragem - parte 8


Dificuldades na gravidez  - I

Os dias se passaram e as minhas contrações não cessavam eu estava no limite máximo do remédio não tinha mais nada a ser feito e a Dra. não conseguia descobrir a causa das contrações...eu apresentava somente um quadro de infecção mais ela não sabia aonde...minha garganta estava ok...minha urina estava ok...eu não tinha febre L nada que ela pudesse tratar... eu já estava internada a 15 dias e nada mudava foram tempo difíceis... não podia levantar para nada nem ao menos para tomar um banho.. nem banheiro...nem nada era repouso com as pernas para cima e a cabeça para baixo meu útero não podia sofrer nenhum tipo de pressão...bastava a que ele estava tendo com as contrações...a preocupação já estava tomando conta da Dra...foi quando ela me disse...”Vamos dar um tiro no escuro...vamos tomar um anti -inflamatório e torcer para a sua infecção regredir...e isso foi feito...comecei a tomar keflex...com dois dias a minha infecção começou a regredir e as minhas contrações a diminuírem... a Dra. voltou a respirar normalmente e com 20 dias deixei o hospital...só que ai a vida mudou...não voltei a trabalhar mais...fiquei de repouso absoluto...tomava banho sentada...e comia deitada...mais fazia tudo com um sorriso no rosto afinal meus bebês estavam comigo e isso era o que importava para mim...
As semanas se passaram a barriga foi crescendo e crescendo...meus bebês se mexiam bastante...e eu era a mulher mais feliz da face da terra naquele momento só meu...único...
Com 34 semanas tive contrações novamente e mais uma vez fiquei internada...dessa vez um pouco mais tranquila porque meus bebês teriam mais chances de sobrevida se tivessem que nascer...mais desta vez não era somente a contração...apesar de não ter tido nenhum tipo de escape perdi liquido aminiotico...meu liquido caiu pela metade e eu poderia ter que fazer o parto a qualquer momento pois meus bebês poderiam estar sofrendo...
A Dra. mais uma vez adotou a conduta de reposição do liquido...eu nunca tinha ouvido falar nisso não achei que daria certo...fiquei 5 dias tomando soro direto sem parar e toda hora vinha a enfermeira me dar  agua mesmo sem eu querer beber...quando já estava conformada que iria ficar ali até o fim da gestação...bingo no ultimo ultrassom meu liquido voltou....acreditem se quiserem...estava com o volume normal novamente...mais uma vez minha médica anja arrumou a casa...e voltamos para casa depois de 7 dias internada...Dou graças a Deus por ter a Dra. do meu lado sempre...sem ela o meu milagre não teria acontecido.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

A historia da Coragem - parte 7


Dificuldades na gravidez  - I

Depois deste episodio a Dra. disse que eu estava bem...que realmente o sangramento era devido a perda do terceiro bb...mais que eu poderia levar a minha vida normal mais sem abusos...fiquei de repouso uma semana e voltei ao trabalho...meu Deus que fome louca...que enjoo terrível...eu estava uma manteiga derretida...realmente chorava até  com propaganda de margarina....era demais...kkkk...quando estava com 15 semanas... estava um dia com muita dor de cabeça e pedi para a minha chefe para ir embora...no momento em que eu estava indo embora senti novamente um liquido quente...corri ao banheiro e meu Deus....um novo sangramento...corri para a sala da minha chefe e pedi socorro...ela imediatamente ligou para a Dra. que disse para que me levasse ao São Luiz para que ela me examinasse lá...assim fomos...o sangramento parou mais eu estava sentindo um incomodo no ventre... quando a Dra. me examinou no ultrassom ela verificou que o colo do meu útero tinha afinado...de 4cm para 2.3cm...isso era muito grave poderia perder meus bb’s... ai ela optou por fazer a cerclagem do útero e na semana seguinte eu fiz o procedimento...voltei na Dra. uma semana depois e ela me disse que o ponto estava lindo...que eu poderia voltar a trabalhar desde que ficasse sentada o dia inteiro e que não mais dirigisse...e assim foi... voltei a trabalhar...era uma segunda-feira, no final do dia... senti umas dores na barriga como se fossem gases...liguei para a Dra. que me orientou a tomar luftal...comprei e tomei...e fui embora para casa...mais esse incomodo persistia durante toda a noite...de manhã consegui ir ao banheiro e pensei...bom era isso...posso ir trabalhar sem medo...e realmente na hora deu uma aliviada... mais conforme o dia passou essa dor aumentou muito conversei de novo com a Dra. que meu deu Dactil e pediu para eu repousar...não tinha como ir embora sendo assim deitei nos sofás que temos aqui no espaço do colaborador...e fiquei e essa dor somente aumentava e aumentava...quando deu a hora de ir embora estava com muita dor...cheguei em casa deitei meu marido ligou para a Dra. que meu deu outro remédio inibina...tomei... melhorou um pouco mais as dores continuavam...de manhã quando meu marido acordou eu estava na sala e com muita dor...ele ligou para a Dra. que perguntou se as dores eram constantes ou iam e vinham eu  disse que iam e vinham ela mandou eu marcar o tempo elas estavam indo e vindo de 5 em 5 minutos...ela disse: “Corre para o São Luiz estou indo para lá”...e assim fizemos eu não conseguia nem por o pé no chão de dor...cheguei lá ela já estava a minha espera...me examinou...fez uma ultra...e vários exames de sangue e inibina na veia...quando tomei a inibina a dor passou como um passe de mágica e eu pensei: “Nossa que bom agora vou voltar para casa”...engano o meu só estava começando...tive que ficar internada...o que eu estava sentindo eram contrações e estava com 17 semanas de gestação não poderia ter contrações poderia perder meus bebês a qualquer momento...

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

A historia da Coragem - parte 6


Gravidez...

Vocês acharam que acabou? Não acabou não... depois de muitos betas que eu louca não parava de fazer...tomei a consciência que estava gravida...mais ainda não tinha visto meu bb pois somente tinha consulta com a Dra. a partir da 6 semana antes disso ela não conseguia ver nada...e fui tocando o barco queria ouvir o coração do meu bb...um belo dia fui ao dentista e ao sair de lá senti um liquido quente entre as minhas pernas...pensei: “Meu Deus o que é isso?”...corri para uma padaria próxima e fui ao banheiro cheguei lá eu estava sangrando...pelo incrível que pareça mantive a calma liguei para meu marido...ele ficou desesperado eu disse para ele liga para a Dra. diga a ela o que eu devo fazer...corro para um médico ou vou na clinica...eu estava na Paulista (centro de SP) sozinha... mais como Deus é misericordioso.. quando eu sai do banheiro tinha uma moça de pé me esperando...ela disse: “Me desculpe mais ouvi a sua conversa você precisa de ajuda”... neste momento eu desabei...disse: “Que estava perdendo meu bebê e que precisava ir ao pronto socorro com urgência”... ela disse: “Vamos vou te levar”... eu nunca tinha visto ela na minha vida...ela nem de São Paulo era ela é de Santa Catarina...me tratou com tanto carinho... que nunca... jamais vou esquece-la...fomos ao Santa Catarina...nisto uma grande amiga minha que trabalha ali na região da Paulista me liga antes de eu chegar no hospital e me diz: “Nossa olha que engraçado me bateu uma saudade de você...e tive que te ligar”... Nisso eu disse a ela o que estava acontecendo e ela estava passando em frete ao Santa Catarina e disse que ia me espera lá...cheguei lá de taxi a Viviane comigo e a minha amiga a minha espera na porta já com uma cadeira de rodas...ela me abraçou bem forte e disse calma...não há de ser nada demais...é só um susto...fui atendida imediatamente e o meu colo do útero ainda estava fechado o que era um bom sinal mais o meu sangramento não parava...não estava intenso...mais estava continuo...nisto a Viviane foi embora...a minha anja...e fiquei eu com minha amiga esperando o ultrassom que eu iria fazer para ver o que aconteceu...e esperando meu marido chegar...logo nos chamaram para o ultrassom o marido ainda não tinha chegado eu moro muito longe do centro de SP... a minha amiga entrou comigo e segurou a minha mão durante todo meu exame...o médico não falava nada e nem esboçava nenhuma reação e aquilo foi me deixando muito nervosa...foi quando ele disse: “E ai moça preparada para a noticia?”...meu coração gelou pensei: “acabou tudo”... ele disse “Você esta vendo esse balãozinho aqui...é o seu bebê...vamos ouvir o coraçãozinho dele”... e foi o som mais maravilhoso que já ouvi em toda a minha vida... quando ele terminou ele disse: “E agora vem a novidade tá vendo esse outro balãozinho...é seu outro bebezinho...” Neste momento não entendia ainda o que estava acontecendo direito...o que...estou gravida de gêmeos...meu Deus é benção demais...a minha amiga que acompanhou toda a minha trajetória chorava muito...e eu ria de felicidade...nisto ele me mostrou outro saquinho...este vazio...isso mesmo...meu sangramento era devido a perda do meu 3º bebê que infelizmente não resistiu mais esteve comigo durante 6 semanas...meu marido chegou quando eu estava saindo do exame ele viu minha amiga chorando e caiu no choro também eu ainda não tinha saído da sala e ela somente falava para ele...”calma...calma...esta tudo bem”...e quando eu sai ele me abraçou e disse: “Por favor fique forte...fique comigo não desapareça como você fez da outra vez...vamos nos ajudar”...eu com toda calma do mundo disse: “Eu fugir...jamais...não tenho condições nenhuma de criar duas crianças sozinhas”...ele ficou estático...me olhando e desta vez o choro dele era de alivio...de emoção...de gratidão...

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

A historia da Coragem - parte 5


Rumo ao 3º tratamento

É fiquei meia área quando a Dra. disse que o eu tinha problemas...ele me explicou que a qualidade dos meus óvulos eram péssimas eles tinham um tipo de síndrome que me esqueci o nome, os que não tinham essa síndrome, eram flácidos...ou seja...eram terríveis...pensei: “Bom deve ser coisa simples de resolver...tomo um remedinho e pronto”.... perguntei para a Dra: “Tudo bem e agora o que tenho que tomar”... ela disse: “Nada, não tem nada que melhore os óvulos...o que podemos tentar são medidas paliativas...como coenzima Q10 e um protocolo longo em vez de um protocolo curto, assim talvez os óvulos possam dar uma melhorada”... eu fiquei fora do ar... como assim em um dia eu não tenho nada e no outro dia eu tenho TUDO... falei assim para ela: “Dra. mais a senhora não acha que devíamos ir para a doação de óvulos se os meus não prestam”... ela disse: “Não disse que os seus não prestam, eu disse que eles possuem uma deformidade...assim como o do seu marido...mais não acho que seja hora de partir para uma ovodoação  acredito sim que com o protocolo longo vocês consigam, se eu não tivesse esperança seria a primeira a desencoraja-los”...saímos de lá com mais vitaminas para tomar...eu com um pesar profundo no peito...e agora senti um pouco do que o meu marido sentiu...me senti impotente...incapaz...mais não demonstrei isso para ele na hora...tinha medo dele desabar de novo...então voltei ao trabalho e pensei...pensei...e pensei para chegar a uma conclusão sobre o que fazer...e somente uma resposta vinha em minha mente...confia na sua médica...se ela diz que dá é porque dá...e isso de uma certa forma consolou o meu coração...aquele peso que eu estava sentindo sumiu...e deu lugar a um resquício de força e esperança que eu me agarrei...esperei a menstruação novamente e voltei lá...nisto ela me passou outro exame porque ela achava que eu poderia ter trombofilia também....pensei...”Era só o que me faltava”...fiz o exame e voltei lá para iniciar o tratamento...quando ela leu o exame me disse: “Bom você tem uma trombolifia leve...vamos ter que tratar isso também”...e assim começamos o meu novo tratamento, com o protocolo longo, mudamos também o indutor dos ovinhos...mudamos tudo...toda semana ela acompanhava o meu desenvolvimento e do meu marido...ela mandou o maridão passar com urgência com o Dr. Mauro porque da forma como estava indo a coleta dele não ia dar certo novamente....liguei imediatamente para marcar com o Dr. Mauro a secretária solicitou os exames dele por email que o Dr. retornaria...a resposta que eu tive foi:...”O Dr. Mauro não vai atender seu marido, pois segundo os exames dele ele não tem nada a fazer”... pensei: “E agora?” liguei para a Dra. Dany que me disse calma eu vou ligar para ele...na sequencia a secretária dele me ligou e marcou a consulta para o dia seguinte....meu marido foi e o Dr. Mauro, ficou surpreso por ele com o problema que teve na infância produzir pelo ao menos alguns peixinhos e que em nosso tratamento chegamos a ter blastos....ele somente atendeu o meu marido depois que a Dra passou tudo isso para ele...sendo assim ele disse que meu marido tinha uma infecção que ele não sabia daonde ela provinha e que como não tínhamos tempo para investigação ele iria dar um antibiótico forte para ele e que neste período ele não poderia coletar peixinhos somente depois...e assim foi feito...ele tomou essa medicação por 15 dias e foi novamente realizar a coleta...e olha que maravillha...tínhamos um saldo de 1 ou dois peixinhos, para 10 peixinhos...viva....comemoramos muito....nisto já estava chegando perto da minha coleta... meus óvulos não eram tantos como da primeira vez... eram 13 e o tamanho deles também não era dos maiores...mesmo tomando coenzinha q10...geleia real e tudo o mais que me diziam que melhorava a qualidade dos óvulos e porque meus ovinhos não cresciam no ultimo momento a Dra. mandou eu também utilizar o menopur...meu organismo se dava melhor com ele eu estava tomando somente o Puregon... de um dia para o outro meus ovinhos cresceram bastante...e fiquei mais tranquila......e o dia foi marcado dia da coleta dia 23/04/2013...fomos na clinica, retiramos os óvulos e aguardamos...a ligação no dia seguinte... foi quando soubemos que coletaram 15 ovinhos...13 maduros e somente 8 fertilizaram....pensei: “Como assim menos que da outra vez”...me bateu o desespero e no dia seguinte...eu tinha somente 5...e no terceiro dia continuavam os 5 no quarto dia não temos respostas...mais o que eu ouvi foi...olha pode ser que não sobre nenhum para o quinto dia mesmo não sabendo se daria ou não comecei a perder as esperanças porque achei que não teria nenhum...o quinto dia era um domingo e fiquei grudada no telefone e aquela espera era angustiante...quando o telefone tocou meu coração gelou e eu fiquei com medo de atender...mais atendi...recebi a informação que eu tinha novamente 2 blastos...e que eles estavam lindos... chorei de alivio...de felicidade...de emoção...na segunda-feira me ligaram novamente e me disseram que eu tinha mais um blasto de 6 dias porque eles guardaram para ver se ele dividia a célula e como dividiu eles também congelaram...então eu tinha 3 picolezinhos... J como sempre tinha hiperestimulo não transferi de imediato...tive que esperar dois meses os hormônios voltarem ao normal.. dia 25/06/2013 fui buscar meus picolezinhos....depois que transferi a Dra. entrou na sala e me disse:...”eles estão com uma aparência ótima...dois bebês para vocês esta bom”...eu disse: “Claro Dra...só faço um pedido...tem que ser um menino e uma menina...kkk”.... ela disse: “Pode deixar que isso já esta providenciado...kkk”... saímos de lá e a rotina recomeçou...tudo de novo...gelatina...clara de ovo...agua...e uma novidade a Physalis....(quase enlouqueci meu marido para ele achar essa frutinha)...bom estava com meus três bb’s dentro de mim e a espera dos 10 dias angustiantes recomeçou...fiquei em casa novamente somente saia da cama para ir ao banheiro e tomar banho...me recusava a me mexer é como se meu organismo tivesse que ficar quietinho para aceitar meus bb’s... no dia do exame tive muito medo....chorei no caminho do laboratório porque  de todo o tratamento para mim este era o momento mais difícil...porque o meu sonho ou começava a se tornar realidade ou morria ali...entrei na sala da enfermeira ela disse: “Menina...que tristeza é essa você não quer esse bebê? Foi no susto?” ... eu disse “Não...esse será o exame mais importante de todo a minha vida até o momento...pois nele pode estar um sonho realizado”... a enfermeira me disse: “Então deixa eu te contar um segredo...os testes que eu colho de gravidez...sempre são positivos...então pode contar com o seu”... neste momento foi o meu primeiro sorriso...fui para o trabalho e no caminho chorei pensando no passado...pedi perdão a Deus por qualquer coisa que eu tenha feito e ele não tenha gostado...mais pedi a ele que não me desse essa dor de novo porque eu não ia aguentar mais uma decepção... o resultado saiu no final da tarde e....o valor era de 396,30 mui....gente que beta lindo!!!! Fiquei contente muito contente...era um valor bem diferente do primeiro...mais a decepção do beta que regrediu não me permitiu comemorar...precisava da confirmação...tinha medo de sofrer novamente...liguei para o meu marido ele ficou muito feliz também mais ainda não nos permitíamos comemorar...extravasar a alegria...dia de repetir o beta...ai que medo...não consegui trabalhar o dia inteiro...no fim do dia... não queria abrir o exame estava com muito medo...tremia...chorava...meu marido teve que me acalmar...ele disse deixa  eu abro sozinho...vai tomar banho entrei no banho...sentei no chão.. e comecei a chorar...já pensei que tinha regredido de novo...que eu não ia aguentar...que o meu mundo tinha acabado...foi quando meu marido entra no banheiro...chorando e rindo...e neste momento eu tive a certeza...estou gravida... o valor era de 2.064...mais que dobrou...ficamos durante muito tempo sentados no chão do banheiro...chuveiro ligado...abraçados, sem dizer uma palavra se quer...NOSSO SONHO TINHA SE TORNADO REALIDADE...

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Be e a crise dos 8 meses

Meninas,
acabo de ler um comentario que ela tem todaaa razao!!! Com as historias incriveis das meninas, acabei me afastado um pouco. Tive mil coisas acontecendo tambem. Troquei o piso dos quartos, fui pro interior durante isso, vamos viajar, estou atras das coisas do niver da be e ontem uma novidade: a lombriga da reforma pesada pegou o marido DE NOVO.
Panico geral.
Hoje a empregada, quando soube, comecou a chorar e pediu demissao...
Nao, ela nao vai embora, mas terei que administrar marido, obra, pedreiro, empregada, baba e a be. Sim, a Be.
Nossa querida e amada Be, que esta divinamente gorda, incrivelmente esperta e absolutamente linda. E sem falsas modestias!!!!!


Beatriz completa na semana que vem 9 meses. Cada mes veio com uma novidade, sendo que quando ela completou 6 meses ela passou a dormir a noite inteirinha. E quando falo inteirinha, gente, era das 19:00 as 5:30/6:30 da manha!!!!!!! Hibernava!
Ava.
Passado.
Mudou.
Na semana que mudou, ela acordou algumas vezes a noite. Coisa simples. Uma, duas vezes, a gente colocava a chupeta e ploft, ela voltava a dormir. Mas a coisas foi evoluindo. Ela passou a acordar mais vezes, e a exigir nossa presenca. A tal crise dos 8 meses, que as vezes passa com 4 anos. ANOS. Afe. Nos ultimos finais de semana, levantei da cama 20 vezes, contadas. Nao eh exagero. Ela acorda, e vira. E fica de quatro, tentando engatinhar. Dai a chupeta cai. E ela nao consegue voltar a dormir sozinha. Nas outras vezes, puro charme, ela nem mexe, nem descobre um milimetro da coberta, apenas faz nheeeee, ponho a chupeta e ploft. Nao existem mais aquelas noites inteiras. Vai fazer um mes que esta assim. Ela tambem nao fica mais sozinha, nem um segundo. Quando me afasto para fazer xixi, levo o carrinho ate o banheiro. Se ela estiver num brinquedo, fico dizendo: "to aqui Be".
As vezes estamos passeando de carrinho, e ela amaaaa olhar o caminho, sorrir para as pessoas, etc. Agora ela olha para tras para "checar" que estou ali. As teses sobre a crise dos oito meses sao inumeras, eles chamam de "ansiedade da separacao", e existem varios textos sobre isso.
Das coisas que li, permaneco achando cruel deixar chorar. Sim, do cansada. To exausta. Nao dormi a noite toda. Mas eu escolhi ter um filho, e vou dar amor e carinho e seguranca. "Sim, filha eu to aqui". Nao deixarei ela sofrer.
Ao mesmo tempo, quando acordo, nao estou mais colocando a chupeta na boca, e sim na mao dela. Ela vai dormir com umas 4,5 chupetas ao redor do travesseiro, na esperanca de que ela consiga acalmar-se sozinha. Por hora, so na esperanca mesmo.
Mas ela evoluiu absurdamente.
Fica sentada sozinha um tempao. Posso deixar ela sentadinha no tapete de EVA dela, com os brinquedos, enquanto me troco. (obvio que distraio com um brinquedo e saio de fininho)
Fica em pe, firminha, na ponta dos pes.
Disse mamae.... pela primeira vez no dia 14/8. Logo apos o jantar. Maior orgulho.
Fica de quatro, e fica balancando pra frente e pra tras. Quando vem para frente, da de queixo no chao. Normalmente engatinha para tras, e vive entalada nos moveis.
Ja esta segurando objetos, e finalmente esta segurando a mamadeira, o que me da mais meia hora! Quando ela acorda de manha, troco, dou a mamadeira e volto no berco. Ela mama sozinha. Linda.

Ela esta prestando atencao em tudo. Nessa foto, eu tinha saido do banho, estava com a toalha na cabeca.... ela entao ficou olhando para mim com essa cara de interrogacao.

Quanto a rotina dela, eh a seguinte:
6:30 - acorda e mama 210 de leite
9:00 suco de latranja lima 120ml
12:00 200ml de papa salgada, com uma fruta de sobremesa
aqui ela  toma um banho vai dormir. com sorte, dorme ate as 15:00, mas senao acorda umas 14:00
15:00 leite 210ml
18:00 jantar 200ml papa, mais fruta
19:30 banho, e outra mamadeira 210ml leite
e teoricamente ela dorme.

Ela eliminou as sonequinhas, ficou so com o sonecao, que nos finais de semana duram pouquissimo, porque ela quer aproveitar os colos, passeios, coisas diferentes. Ja acorda ao menor barulho, nota absolutamente tudo.

Ela esta ficando cada dia mais no colo. Ela e seus 10 kilos. Podem dizer que colo isso, colo aquilo, mas em breve ela vai andar, engatinhar, e dai acabaram-se os colos e chamegos. To aproveitando. To curtindo. E ela ta crescendo, rapido demais.

Para quem quiser ler mais sobre a tal crise:
http://brasil.babycenter.com/thread/113495/crise-dos-8-meses-separação-e-angustia

A historia da Coragem - Parte 4


Rumo ao segundo tratamento

Cheguei em casa e disse ao marido:...”Achei a nossa médica...é a Dra. Daniella Castellotti”...ele disse: “Como assim achou?” contei do efamily para ele disse: “Você pesquisou? Acha que vale a pena?”, eu disse: “Pesquisar, pesquisei se vale a pena somente indo na consulta”...Liguei e marquei a consulta...gente fiquei louca somente tinha consulta para daqui a um mês....deixei marcado mais ligava quase todo dia para ver se tinha uma desistência...a Jaqueline uma das enfermeiras dela uma docinho sempre me atendia e dava risada...ela dizia: “Se alguém desistir você é a primeira da fila”...e no dia seguinte ela ligou....”Moça venha na sua tão sonhada consulta amanhã, houve uma desistência...” eu disse: “Claro que vou preciso engravidar logo...kkk”...no dia seguinte...no horário marcado estávamos lá...me encantei logo na entrada com o carinho que fui recebida...a Jaque...veio correndo e me deu um abraço como se já me conhecesse a muuuiiiittttooo tempo...kkk... eu pensei: “Para ficar perfeito, só falta eu gostar da Dra.” no horário marcado subimos para conversar com a Dra... ela nos ouviu...viu os exames... me examinou...e falou: “Bom...vocês tem realmente um problema para engravidar...e pelo que estou vendo o problema maior é o fator masculino...vamos fazer mais exames para entender a extensão do problema e você também vai fazer mais exames...e vamos as vitaminas”... eu pensei: “Nossa vitamina pra que? Da outra vez não tomamos nadica de nada”... ela me pediu para solicitar na outra clinica o protocolo adotado para que ela avaliasse...eles se recusaram a entregar...não contente ela ligou para eles e teve a mesma negativa L...ela me disse: “Que pena diante disso vou ter que te atender como se fosse a primeira vez...” eu pensei comigo “É a primeira vez”...e assim depois de todos os exames em mãos...começamos o tratamento...a principio igual ao outro...menopur...medir os ovinhos...só que toda semana o marido ia realizar a coleta de peixinhos (é como chamo os espermatozoides) para congelar visto a quantidade que ele possuía...assim teríamos uma amostra maior no momento da fertilização...outra coisa que ela nos disse que no nosso caso não seria nem FIV e sim a ICSI...meus ovinhos eram muitos...tantos que...hiperestimulei...o tamanho deles estavam bem próximos o que é ótimo... o maior ficou em 23mm...fizemos a coleta...e tive 17 ovinhos... 16 maduros... 10 chegaram no 3º dia e somente 02 viraram blastos...mais para mim estava ótimo...eu somente precisava de um certo....como hiperestimulei tive que esperar um mês para meu corpo voltar ao normal...e quando ela me disse isso torci um bico e levei uma bela bronca... “Olha aqui mocinha...quem manda aqui sou eu!”... fiquei quietinha na hora....kkkk...no dia marcado para buscar meus picolés...dia 05 de outubro de 2012...mais desta vez ia fazer tudo muito diferente...pedi dispensa do trabalho por 10 dias...usei...tudo o que as meninas do efamily diziam que haviam feito para conseguirem o positivo (desta vez já acompanhava o tópico “FIC/TEC-meninas que já passaram pelo negativo”) gente neste tópico conheci meninas maravilhosas que amo de paixão...a Tata...a Erika...a Cata...a Bella...a Lay...a Hope...Juju...Sidorini...Phoenix...Rosa...Tatimoraes...S_alves...nossa são tantas...era a nossa terapia de grupo...bom voltando...comi muita gelatina mesmo odiando...comi muita clara de ovo...tomei muita agua...fiz muito repouso e tomei todos os remédios que a Dra. mandou e olha que foram muitos...kkk e o utrogestan eu tomava porque a absorção era melhor... no dia 15 de outubro era o dia de meu exame e quanto mais perto chegava mais apreensiva eu ficava com medo de menstruar...não menstruei e no dia marcado fui fazer o exame...foi uma tortura a espera....no final do dia o meu tão sonhado positivo saiu....tímido...65 mui...mais era positivo...e eu pura felicidade...corri para o trabalho do marido...comprei uma chupeta no caminho...embrulhei e entreguei para ele junto com o exame....ele chorou de tanta alegria....ninguém na minha família sabia somente a minha mãe...não contei esse positivo porque queria repetir o exame dentro de dois dias...foi quando repetimos o exame e abrimos juntos em casa...quando abrimos...uma surpresa muito triste...o beta havia regredido...pouco 2umi...mais estava regredindo...neste dia eu desmoronei...liguei na hora para a Dra. que me disse que provavelmente eu havia tido uma gravidez bioquímica...mais que deveria repetir o beta em dois dias e somente depois disso parar de tomar os remédios...neste dia eu perdi o rumo....sai de casa desnorteada...meu marido tentou me segurar mais eu precisava ficar sozinha...eu chorava e dirigia...peguei  a estrada a castelo branco e quando dei por mim já estava em Sorocaba...eu chorava...gritava de dor... agarrava na minha barriga e dizia para meu filho...se segura ai....que a mamãe tá aqui e tenho tanto amor para lhe dar...eu conversava com ele para ele não me deixar...eu tive meu momento de loucura...pois a dor era tanta que perdi realmente o juízo...parei no acostamento da estrada...era de madrugada...senti aquele vento gelado soprando em meu rosto...encostei no capô do carro...e lá eu pensei...e pensei...e chorei...e xinguei...e lamuriei...e fiz tudo...vivi o meu luto...o dia estava clareando...entrei no meu carro e voltei para casa...meu marido desesperado...olhos inchados de tanto chorar sem saber aonde eu estava...mas eu precisava ter um momento só meu com meu bebê...desta vez a minha recuperação foi muito difícil...pois me senti gravida...foi difícil colar os caquinhos e seguir em frente...o tópico me ajudou muito...a força que vem de lá é incrível....Logo nos dias seguintes a Dra. me ligou e pediu para eu ir até o consultório dela que nós precisávamos conversar sobre o que deu errado no tratamento...pensei “Nossa que diferença...ela quer conversar comigo mesmo com o meu negativo...me senti reconfortada...ela sabia o que tinha dado errado”...Fomos eu e o marido...chegando lá ela explicou que os peixinhos do marido além de serem poucos eles não tinham uma boa morfologia...ou seja (possuíam dois rabos...ou duas cabeças) que eram muito raros os que eram normais e mesmos esses normais eram muito lentos...mais existiam...e que o problema maior estava em mim...choquei....”Em mim???? Como em mim??? Não tenho nada certo? Tenho somente miomas”... era isso que eu pensava....

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

A historia da Coragem - Parte 3


Rumo ao primeiro tratamento...

Com a esperança renovada tínhamos que procurar uma clinica...mais sempre ouvi que esses tratamentos eram caríssimos...e sendo assim procurei um que conseguiria pagar fomos em lugar aqui em SP que era mais barato, mais segundo minhas pesquisas eram conceituados...vimos uma palestra que achei um pouco estranha pois eles fizeram parecer que era uma fabrica em produção, mais falei com o marido e ele disse se você quiser a gente marca a consulta...sendo assim marcamos para uma semana e pagamos na hora R$ 200,00...eu mega animada, maridão com o pé atrás...no dia da consulta levamos todos os exames que tínhamos...o médico analisou os meus disse que estavam ótimos e os do Fabio o que já esperávamos que somente com uma FIV teríamos chances...mais isso nós já sabíamos e o fato dele confirmar nos animou muito...eles não pediram mais nada para a gente disse somente que quando a minha menstruação chegasse eu ligasse porque no 2º dia já teria que começar o tratamento...eu fiquei animadíssima porque a minha menstruação viria daqui a 5 dias e como esperado ela veio...animadíssima liguei para a clinica marquei a consulta e no dia seguinte estava lá eu e o maridão...entrei na sala do médico ele mandou eu me trocar...me examinou...não disse nada...e saiu...entrou uma enfermeira e disse: “Pode se trocar e vir a enfermaria”...fiquei sem entender nada...pensei: “Nossa que estranho será que tem algum problema?”...chegando na enfermaria a enfermeira me aplicou a primeira injeção de menopur e me explicou que eu deveria tomar todos os dias no mesmo horário até segunda ordem... eu não sabia nada nem para que servia esse remédio, mais se ela mandou eu tomar eu tomei...e voltei depois de dois dias...entrei na sala e ops!!!...outro médico? Mais cadê o médico que me atender da primeira vez? Me troquei novamente e deitei para o exame...ele falava assim...muito bom...7 folículos no ovário direito e 6 no esquerdo....e falava as medidas...quando terminou ele somente disse esta tudo indo muito bem...fui me trocar e pensei: “vou perguntar para o Dr. O que são folículos....e se essa quantidade esta boa ou se eu precisava ter mais”...para minha surpresa quando sai a sala estava vazia...e isso se repetiu em todas as consultas...fui atendida por diversos médicos de vez enquando eu via uma cara que eu já conhecia...um dia antes de tomar o ovidrel (que eu também não sabia para que servia) veio o bam.bam.bam da clinica ele falou para mim : “Moça que fabriquinha de óvulos hein!!! Muito bom vamos coletar amanhã”... E assim foi...cheguei de manhã as 05:00 eu e maridão para sermos atendidos somente as 11:00 morrendo de fome e ansiedade...quando entrei na sala  logo dormi e quando acordei estava sentada em uma poltrona, veio uma senhora me entregou umas bolachinhas e um chá e disse pode ir embora...pensei: “ Embora...como assim eu estou mega tonta...e ninguém vai vir falar comigo...como foi o procedimento?” Deu tudo certo? Cheguei na recepção e já tinha a data marcada para a transferência que seria para dali a três dias...durante esse tempo...ninguém me ligou.. ninguém me orientou nada...no dia marcado 11/07 de 2012 meu marido ia começar em um trabalho novo e era o dia de minha transferência...ele disse: “E agora?” eu disse: “Sem problemas, eu vou sozinha, é um processo rápido e sem dor.. nem vou tomar anestesia...vou sozinha mesmo...” E assim foi...vim trabalhar no dia porque afinal a minha transferência era somente ás 17:00 e eu tinha muita coisa no trabalho e a clinica fica a menos de 15 minutos, sai do trabalho as 16:30, cheguei na clinica 16:50, entrei na sala e o médico (o primeiro que me atendeu) me disse: “Olha coletamos 15 óvulos...dentre eles 13 maduros e restaram 3 embriões”, eu disse: “Nossa de 13 somente 3 porque?” Ele respondeu “Porque a natureza assim quis.. e digo mais, esses três a qualidade deles é bem ruim classe C e D” sem entender o que era aquilo segui para a transferência e as 17:30 já estava no meu carro indo embora para casa...o médico me disse que era para levar vida normal...e vida normal eu levei...sai da clinica com um mega saltão e ainda por cima dirigindo...cheguei em casa...coloquei a roupa para lavar...fiz janta...meu marido chegou e ai eu resolvi “repousar um pouco” apesar de não me falarem nada eu acreditei que poderia ser bom...no dia seguinte 08:00 da manhã já estava no trabalho de novo, saltão...tomando café como uma louca...subindo e descendo escadas devagar mais andava...a única coisa que ele me deu para tomar era a progesterona duas por dia...uma de manhã e outra a noite...não preciso dizer mais nada né...mesmo antes do dia do exame minha menstruação desceu...quando desceu eu pensei: “...como assim???? Eu estou gravida e menstruo????  O médico me disse que estava tudo ótimo...perfeito....e o que aconteceu?”...liguei na mesma hora para a clinica quando contei o que havia acontecido para a recepcionista ela me disse: “É negativo, não podemos fazer mais nada por você”....eu disse “Como assim mais nada....e meu bebê...quero falar com o médico”... ela disse: “Ok, marcarei uma nova consulta o valor da mesma agora é R$ 420,00”...eu disse: “Como assim meu tratamento já acabou?” ela disse: “Agora é por sua conta”.. pensei: “Minha conta? Mais eu nem sei o que fazer”...este foi um dos piores dias de minha vida...sai do trabalho sem nem ao menos avisar ninguém....fui no parque do Ibirapuera e sentei embaixo de uma arvore e chorei....chorei...perguntei a Deus o porque ele não queria me dar um bebê que eu prometia ser uma boa mãe porque ele não me ouvia...porque ele não me atendia...meu marido quando soube desabou de novo...e eu tive que me manter forte por nós dois...ele disse: “Vamos desistir”, eu disse: “Jamais”, eu oscilava entre raiva...medo...indignação...foi ai que encontrei o efamily...entrei em um tópico a principio que se chamava “Fivetes a caminho da realização de um sonho”, comecei a ler o tópico inteiro me emocionei e lendo os relatos eu percebi tudo que eu tinha feito de errado o quando eu tinha me enganado com o tratamento...me senti muito triste por ver que meu tratamento foi uma piada...lá eu conheci a Erika...a Phoenix...tatimoraes...e tantas outras...vi que a maioria das meninas falavam muito bem da Dra. Daniela e Dr. Arnaldo...e pensei bom acho que é por ai que eu vou...

domingo, 24 de agosto de 2014

A historia da Coragem - parte 2


Passou-se um ano e meio....

Tudo mudou um belo dia que estávamos em casa no sofá abraçadinhos como sempre e assistindo a novela Fina Estampa...a que tinha a Dra. Daniela Fraise que tratava de infertilidade e tinha um casal aonde o homem se recusa a realizar o tratamento...estávamos vendo esse pedaço da novela quando ele solta: “Amor...você acha que eu deveria procurar um outro médico? Saber outra opinião sobre o meu problema?” Gente não acreditei...eu morri de alegria por dentro...finalmente o dia havia chegado...e chegou quando eu menos esperava...de bate pronto eu respondi: “Você esta pronto para ouvir uma negativa de novo?”, ele disse: “Não, mais preciso saber tudo a fundo...” Eu disse: “Acho que você tem que ir em outro sim... mais me diga uma coisa que você nunca disse...o que você tem na realidade?” Ele disse: “Você quer dizer o que eu não tenho...eu não produzo espermertozoides...” eu respondi  bem calma: “É mesmo? Nenhum?” ele disse: “Segundo o médico nenhum...” Eu disse: “Você ainda tem o exame”. ele disse: “Tenho” e foi buscar...quando ele deu o exame na minha mão eu respirei e abri como se abre um carta...despreocupada não queria demonstrar a ele a minha ansiedade para não preocupa-lo...quando vi o exame somente via...zeros...em tudo...no fim do exame estava escrito...3 amostras vivas foram detectadas... gente meus olhos encheram de lagrimas... ali estava meu fio de esperança...para dar certo nós somente precisávamos de um...chorei de alegria abraçada a ele... ele não estava entendendo nada...mais era um choro que estava contido desde que ele disse que não poderia ser pai...expliquei para ele tudo que havia estudado e ele ficou mais animado...mais com certeza com o pé no chão...imediatamente marcamos outro urologista (que ele foi sozinho) mandei com ele um questionário sobre tudo que eu tinha lido para ele tirar as duvidas...dessa vez quando ele saiu do consultório ele me ligou e disse: “Amor, o médico me disse que por vias normais eu não consigo engravidar a minha mulher mais talvez com um tratamento em uma clinica de fertilização isso seja possível” Essa frase foi musica aos meus ouvidos...e desta vez eu chorei mais não me tranquei no banheiro, pois ela um choro de alegria... de felicidade...de esperanças renovadas...de uma etapa vencida...

sábado, 23 de agosto de 2014

A historia da Coragem - Parte 1

Meninasssssss

estava no interior (de novooo) e voltei ontem, me atrapalhei master.
Aproveitei agora que a Be esta nanado e dei uma passada aqui para postar a historia da Coragem.

E ai, estao gostando das historias?

A da Erica foi demais ne?? Afe, ja pensou, tres de uma vez???? Na epoca a gente ficou super feliz, mas vamos combinar: que caoooooos! Trigemeos nao eh para qualquer um! Mas D'us mudou o jogo e mandou o Gui, aquela coisinha fofa.

Bem, chega de papo porque sei que vcs estao doidas para conhecer a Coragem. (para quem nao lembra, foi ela quem me "apresentou" a dra dani)

Enjoy!!


Oi...sou a coragem... vou começar a contar a minha historia...

A descoberta da infertilidade....

A 5 anos atrás eu e meu marido sonhávamos em ter um filhote...deixei te tomar o anticoncepcional e esperamos pelo nosso tão sonhado bebê...1 ano se passou e nada... L...foi quando eu disse a ele...vou ao médico.. preciso ver se esta acontecendo algo comigo...fiz alguns exames...entre transvaginal... Coloscopia...mamografia...vários de sangue...e a única coisa que tinha de anormal eram os miomas pequenos que eu possuía e segundo o médico como estavam fora do útero não me impediam de ter um filho...
Sendo assim chegou a vez do meu marido...ele resistia porque no fundo ele tinha certeza que o problema era dele...mais no momento em que eu disse que ele precisava fazer os exames ele de pronto foi ao médico e fez o exame...o tão temido espermograma...quando chegou o resultado ele me proibiu de abrir...e disse que somente o médico abriria...fiquei frustrada porque o médico era somente daqui a uma semana...mais respeitei...afinal o exame era dele...
O tão esperado dia chegou...ele não quis que eu acompanhasse ele no médico...disse que preferia ir sozinho...pensei como ASSIM!!!!, mais respeitei e fiquei ansiosa pela ligação dele e ele não ligava...como assim não ligava...eu precisava saber... e para variar não aguentei liguei para ele e pimpa...ele atendeu...não me falou nem oi...somente disse.....”NÃO POSSO TER FILHO!!!!”...meu mundo caiu...mais eu precisava saber o porque...perguntei: “Como assim? O que deu o exame? Me explica!!!” Ele respondeu somente...”Você ainda não entendeu...eu não sou um homem completo não posso ter filhos”...e desligou...
Fiquei muito atordoada...sem chão...era como se meu sonho tivesse acabado com o fim desta ligação...entrei no banheiro (pois estava no trabalho), chorei...chorei muito doía tanto que chegava a ser uma dor física...mais tive que engolir o choro e voltar ao trabalho...neste momento eu entrei na internet e comecei a pesquisar o que poderia ser o problema dele...vi de tudo...mais também vi que podia ter jeito...e minha esperança voltou....era pequena mais existia...me sentia um pouco melhor...agora precisava somente contar a ele e saber direito o que era o problema dele...como eu havia visto tinham casos que era somente um operação...bom vamos ver o que o médico realmente falou...
Cheguei em casa com toda a minha pesquisa...e quando olhei para ele os olhos fundos e vermelhos de tanto chorar...pois o maior sonho da vida dele era ser pai...meu coração doeu...doeu muito e quando comecei a falar que poderia ter jeito ele me interrompeu e disse: “Não quero nunca mais falar sobre esse assunto...isso para mim acabou e espero que você me respeite... te deixo livre para seguir o seu caminho se você assim preferir”....e saiu e se trancou no quarto...Fiquei estática no sofá da sala assimilando o que aquilo seria...seria o fim do meu relacionamento...ou seria o fim do meu sonho de ser mãe... L...Passei a noite sentada no sofá pensando e repensando...e cheguei a seguinte conclusão...não vou terminar o meu relacionamento...e muito menos desistir do meu sonho...eu vou ter os dois...o amor de minha vida e meu filho tão sonhado...
Os dias se passaram e eu sentia que precisava esperar o tempo para ele assimilar tudo...mais as coisas somente pioravam...com a decepção ele adoeceu...ficou muito mal...primeiro uma gripe muito forte que se tornou pneumonia...quando melhorou entrou com uma crise renal... ele definhou a olhos vistos foram tempos difíceis então eu resolvi que o tempo que achei que fosse curto poderia ser longo...mais eu daria o tempo dele...tinha certeza que esse assunto ainda não estava terminado.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

A historia da Erica - parte final


Trigemeos!!! Ual.....

Vários planos. Muitos sonhos. Imaginávamos como seriam os três: meninos? Meninas? Tudo misturado? Pareceriam com quem?

Nova ultra. Com 9 semanas. Desta vez marido foi junto. Queria ver os trigêmeos!!! Mas, Deus chamou meus idênticos mais cedo. Não havia mais batimento cardíaco. Ficou o gêmeo fraterno.

Incrédula e muito mal atendida por uma medica insensível, preferi ir a outro local confirmar o diagnóstico. Sim, de fato havia perdido os idênticos.

Ficamos muito tristes, choramos. Mas nos consolamos no fato de que ainda tínhamos nosso bebe.

Até que um dia, a noite, eu levantei da cama e tive um super sangramento. Era muito sangue e vermelho vivo. Corri para o banheiro para colocar um absorvente e correr para a emergência, foi quando veio um jato de sangue. Marido apavorado, desesperado. Mas tinha um anjo ali comigo, tenho certeza, porque me mantive tranqüila e com fé de que estava tudo bem.

Emergência de novo. Na ultra vimos nosso pitoco, praticamente dando tchauzinho. E o marido viu o nosso bebe se movimentando pela primeira vez. Estava tudo bem como ele. O sangramento era, provavelmente, em razão dos idênticos, que ainda estavam lá... ainda seriam absorvidos.

A gravidez se desenrolou com muito cuidado. Descobrimos que estava grávida de um menino. Eu me sentia super bem. Não tive enjôo, nem azia, nem indisposição, mas tinha que usar o anticoagulante injetável, mais tarde perdi um pouco do muco e tive que tomar a injeção de corticóide para amadurecer os pulmões do bebe, e ainda me vi com uma diabetes gestacional. Muito repouso. Na maioria repouso absoluto.

Com a ajuda de Deus, chegamos as 38 semanas. E no dia 25 de outubro de 2013 meu grande milagre nasceu. Muita saúde distribuída nos seus três quilos e meio. Muita emoção e felicidade naquele momento único. 
Uma dormência dos sentidos.... a dificuldade de acreditar no real. 
Eu estava e não estava lá. 
Ele estava nos meus braços.. nos meus seios... ele me foi entregue em confiança. Essa vida.. tão aguardada, estava ali. 

A partir dali, eu era mãe.
video
 

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

A historia da Erica - parte 4


Por causa dos 14 óvulos, sofri hiperestímulo novamente. E enquanto aguardava a data para fazer o beta, a minha barriga ia ficando cada dia mais inchada e dolorida. Nossa, ao final mal conseguia dormir de tanta distenção. Tive que ir na emergência para ver se tinha algo pior, afinal, não se brinca com o hiperestímulo. Mas, eu tinha apenas que tomar água.

Não tinha nenhum sintoma de gravidez, mas nunca me apeguei a isso.

Dia do beta.... muita ansiedade. Olhava a internet toda hora. Estava sozinha em casa. Veio o resultado: 856...  POSITIVO. Não conseguia acreditar. Estava super grávida! E por isso meu hiperestímulo só piorava!

Não lembrava a última vez que me vi tão feliz!! Tanta luta e finalmente meu bebe estava ali, dentro de mim.

Com muita ansiedade aguardei a ultra. E quando a fiz, fiquei ainda mais feliz, estava grávida de gêmeos! Nossa.... que sonho. Não sei descrever minha felicidade.

Por ter sofrido duas perdas, fiquei neurótica. Queria fazer ultra toda semana. Então sempre inventava alguma coisa para poder fazer a ultra na emergência. Mas teve um dia que vi uma borrinha de café no medicamento que usava via intravaginal..... e me deu um desespero. Não podia ser... Corri para a emergência, queria outra ultra. Avisei que estava grávida de gêmeos. Então logo eles foram fazer a ultra. A essa altura estava com 7 semanas de gravidez.

A médica fez a ultra e me deu a notícia: vc não está grávida de gêmeos.... mas sim de trigêmeos!

Oi? Hahahhahahahahhahahahhahahahahhaahhah

Fiquei meio atordoada. Afinal, eu havia transferido dois embriões. Como tinha 3 bebes? Pois bem, estava grávida de dois gêmeos idênticos e um fraterno. Três bebezinhos. Ouvi o coração dos três. Minha irmã super preocupada e eu e o meu marido felicíssimos. Kkk....

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

A historia da Erica - parte 3


Muita tristeza..... Um sentimento de que nunca mais iria conseguir engravidar ou segurar o bebe. Chorei muito pela perda, mas principalmente por ver o meu sonho da maternidade se tornar cada dia mais difícil de ser alcançado. Pensei que entraria em depressão. O marido não aceitava a adoção. E eu só queria ser mãe... fosse com meus óvulos ou não, com a minha barriga ou não, com o esperma dele ou não, biológico ou adotivo.

Tínhamos mais um embrião, mas nesse estágio a minha confiança na clínica já estava totalmente abalada.

Decidi ir para São Paulo ter uma conversa com o Dr. Arnaldo da IPGO e, concomitantemente fazer minha última transferência no Rio.

Engraçado.. no meu primeiro contato com o dr. Arnaldo confesso que não gostei muito dele. Achei que ele falava muito baixo, um pouco embolado, tinha cara de boa pessoa, mas não foi o que eu esperava que fosse. Ele conversou calmamente com a gente, disse que mudaria algumas coisas no meu protocolo, mas que eu estava sendo bem acompanhada etc. Expliquei que estava na última transferência e só depois retornaria.

Fizemos nossa última transferência e eu ainda em dúvida sobre mudar de clínica. Endométrio ruim de novo. Resultado: negativo. Não pensei que seria outro.

Mas ainda assim retornei à clínica e eles me falaram que o “lote” devia estar ruim.... nem sei que cara fiz... estava incrédula com aquelas palavras. No mais, me indicaram fazer tudo de novo, mesmo protocolo. Não tinha jeito. Não iria mais ficar ali. Como insistir em algo que claramente não estava dando certo?

Foi quando decidi ir para SP e fazer o exame que o dr. Arnaldo pediu. Ele fez uma raspagem do endométrio, mudou minha medicação, explicou que preferia usar menos medicação e ter menos óvulos de melhor qualidade. Com o tempo vi que médico maravilhoso estava me acompanhando e me senti muito segura com ele.

Fiz a indução e a punção. Tive 8 óvulos. Não lembro quantos maduros ou quantos fertilizaram, mas lembro que fiquei com apenas 2 embriões. Com base nisso, achamos melhor fazer uma super icsi, porque os peixinhos do marido estavam muuuuuuuuuuuuuuuito ruins. E optamos por uma segunda indução, onde tive 14 óvulos, dos quais 7 fertilizaram.

O dr. decidiu descongelar os outros dois e aguardamos todos chegarem ao quinto dia, foi quando fiquei com 5 embriões. Meu endométrio estava cooperando desta vez, nove e alguma coisa e transferimos dois embriões.

Nesse período, antes das punções, conheci pessoalmente a Thais! Passamos uma tarde maravilhosa, falamos para caramba. Foi ótimo!

E não sei porque, mas desta vez estava com a fé renovada, acreditando que daria certo.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

A historia da Erica - parte 2


Parte 2

Eu estava com 7 semanas de gravidez. Com 9 semanas, perdi o bebe. Descobri fazendo uma ultra de rotina, sozinha, apenas com o médico. O mundo caiu.

Chorei muito! Desespero total. Não fazia idéia de como era comum perder um bebe até os 3 meses de gestação. Meu aborto foi retido e eu quis que saísse naturalmente. Não queria uma curetagem. Mas não teve jeito. No processo de expulsão eu tive contrações como a de um parto, e uma leve hemorragia. Tive que ir para a emergência e lá precisei fazer a curetagem, sob risco de piorar a hemorragia caso não o fizesse.

Após a traumática perda, meu gineco, um anjo que Deus me enviou, solicitou inúmeros exames, inclusive genéticos. Neles descobri que duas coisas importantes, uma delas é a de que meu bebe era menina e aparentemente saudável (até aquele ponto do desenvolvimento, não tinha quaisquer das más formações relacionadas a perda nesse estágio) e a outra é a de que eu sou portadora da trombofilia e essa foi a provável causa da perda.

Até sair o resultado dos exames precisamos aguardar uns quatro meses. Mas passada essa fase, decidimos por procurar uma clinica de fertilidade. Fomos a uma aqui mesmo no Rio e lá me pediram mais alguns exames, dentre eles a histerossalpingografia. Nela descobrimos que tenho uma trompa obstruída e outra enovelada, tudo em razão da clamídia. Aliás, os peixes do marido não melhoraram.

Nesse ponto o médico afirmou que seria muito difícil de engravidar naturalmente, mas que não poderia afirmar quanto tempo porque no quesito fertilidade tudo é possível. Inclusive, o assistente dele afirmou que a minha gravidez foi quase um milagre.

Em razão da situação das trompas não dava para fazer inseminação artificial. Então, partimos para a fertilização.

Claro que o médico esclareceu que não era possível garantir um resultado, nem mesmo quando ele aconteceria, mas foi muito otimista quanto ao nosso caso, já que o problema era basicamente mecânico e eu já tinha engravidado uma vez. Mas o fato é quando pensamos em fertilização, acreditamos que a gravidez venha muito facilmente, afinal, a parte mais difícil seria feita em laboratório. Ledo engano, mais uma vez não sabíamos o que nos aguardava.

Na própria estimulação já começaram as dificuldades. Eu tinha um ovário que trabalhava mais rápido que o outro, e ao final da indução, eu tinha uma média de 5 óvulos em bom tamanho de um lado, e 5 possíveis óvulos do outro. Acontece que por um erro meu, que não tomei a medição para maturar os óvulos no dia certo, acabei tendo que induzir por mais um dia e maturar só no seguinte. Poderia estar tudo perdido. Mas era a mão de Deus. No dia da punção tive 20 óvulos, dos quais 17 ou 19 maduros. 11 foram fertilizados e 5 viraram embriões viáveis.

Para quem teve 20 óvulos, já devíamos ter suspeitado que cinco embriões denotava um problema de qualidade ou dos óvulos ou dos espermatozóides. Mas estávamos tão felizes e confiantes que nem pensamos nisso.

Eu tive hiperestímulo, meu endométrio estava em 7.8, mas mesmo assim transferimos dois embriões. Resultado: negativo.

Foi difícil acreditar, mas nos recuperamos relativamente rápido, pensando nos outros 3 embriões que ainda tínhamos.

Mas.... meu endométrio simplesmente não engrossava. Usei todos os medicamentos possíveis! Inclusive um injetável, intramuscular. Nada adiantava. Já haviam se passado seis meses de cancelamento de ciclos. Frustração imensa, pois não tínhamos sequer a oportunidade de tentar.

Finalmente tivemos algum resultado, o endométrio havia engrossado, mas sempre abaixo de 8, e transferimos mais dois embriões.
 
O laboratório me deu o resultado de boca: negativo. Exigi o resultado do exame impresso. Aí sim demoraram...  mas o resultado havia sido muito baixo. 

Sinceramente, não lembro números exatos, mas foi algo que deu indeterminado. Não foi negativo como haviam me dito!!!!
Passados dois dias, novo exame, resultado aumentando... Até que chegou no trezentos e alguma coisa e me senti mais segura. 

Portanto, decidimos contar aos nossos pais e irmãos.

No entanto, uma semana após contarmos, senti uma cólica fortíssima. Era madrugada e não conseguia dormir de dor. Resolvi me levantar e tomar um copo de água. Foi quando percebi o sangramento. Fomos para a emergência, mas sentia que havia perdido novamente o bebe. Não tinha como ver no ultrassom ainda, então fizemos um novo beta. O resultado saiu apenas no dia seguinte e o meu beta que devia ter dobrado, caiu drasticamente.

Havíamos perdido nosso bebe.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

A historia da Erica - parte 1


Olá meninas! Tudo bom?

Conheço a Thais do e-family e atualmente nos comunicamos pelo wattsapp, onde ela me convidou para fazer uma colaboração com o seu blog “um dia mãe”. Claro que aceitei muito feliz o convite, pois sei da importância em se ter conhecimento de histórias onde conseguimos alcançar o nosso sonho da maternidade. E só quem passa pelo que passamos entende a dor e frustração que sentimos.

Pois bem. Vou começar me apresentando. Meu nome é Erica, conhecida no e-family pelo nick ericacl, tenho 34 anos, casada a 7, advogada, residente no Rio de Janeiro e lutava contra a infertilidade ha 4 anos.

Casei com 27 anos e sempre planejei estar casada ha pelo menos 3 anos antes de engravidar. Morava no Espírito Santo e quando me casei mudei para o Rio. Então, o começo do meu casamento foi muito atribulado pelas várias mudanças pelas quais passei. Não tinha mais família e amigos por perto. Larguei o emprego que eu amava e não tinha nada ainda no Rio. Quando comecei a trabalhar, cerca de um mês apos minha mudança, foi tudo muito novo para mim. A distancia entre casa e trabalho era uma insanidade (em Vitória eu levava 10 min, e aqui 2h), tudo era muito corrido no escritório e eu nem pensava na possibilidade de engravidar.

Cinco meses depois mudei de escritório, e lá sim vi o que é trabalhar até enlouquecer. Quase sempre saía as nove da noite, viaja muito, as vezes duas vezes na semana. Gente.... filho nem pensar né!!!!

E foi essa loucura até que, finalmente, com 30 anos, achei que era a hora. Começamos a tentar engravidar e não fazíamos idéia do que nos esperava.

Engraçado como a gente acha que engravidar é a coisa mais fácil do mundo. Passamos a vida tentando evitar uma gravidez e quando esquecemos um dia o anticoncepcional achamos que está tudo perdido e vamos engravidar. É.... pode até ser para umas... mas a verdade é que engravidar é muito difícil. Já pararam para pensar que tem que estar tudo perfeito e no tempo certo para que a gravidez ocorra???

Bom, o fato é que não sou uma dessas sortudas deusas da fertilidade e para mim foi muito mais difícil que um dia imaginei na minha vida.

Meses se passaram e nada de conseguir engravidar. Até que decidimos ir ao meu gineco, que é especialista em fertilidade, para ver se poderíamos fazer algo.

Claro que tínhamos conhecimento que um casal só é considerado como passível de tratamento para fertilidade (não gosto de falar infértil gente, até pq não acredito nisso) depois de um ano de tentativa frustrada. Mas não conseguíamos mais esperar!!! Todo mês aquela frustração!

O gineco passou uns exames básicos, principalmente para o marido, e constatamos que ele tinha uma baixa contagem de espermatozóides, além de serem de péssima qualidade. Tudo isso graças a uma infecção por clamídia (maldita e silenciosa). E aí teve início uma luta para recuperar os peixinhos do marido.

Com um ano e meio de tentativas, estávamos no nosso limite. A inseminação ou fertilização já era uma grande possibilidade para nós. Até que decidimos ir para um evento de música eletrônica em São Paulo para esquecer um pouco esse assunto.

A minha menstruação sempre atrasava, muitas vezes por uma semana, e quando cheguei em Sampa, ela estava a 10 dias atrasada. Mas eu tinha certeza que iria descer, pois sentia aquela colicazinha que nos avisa da sua chegada.

Bebi horrores!!! Dancei muito! Tive ressaca. Tomei neosaldina. Enfim, fiz tudo o que tinha direito e foi muito bom para mim e o marido.  Só que quando cheguei no Rio, a monstra ainda não tinha descido. Foi quando decidi, com 12 dias de atraso, fazer um teste de gravidez e pronto: positivo!

Eu não estava acreditandooooo!!!! Não contei nada para o marido e no dia seguinte fiz o exame de sangue. A tarde a confirmação: positivo mesmo! Me agüentei até a noite. Fiz um jantar especial e no final dei para o marido uma caixinha de presente, que quando ele abriu tinha um sapatinho de tricot e o resultado do teste de gravidez. Choramos de emoção. Felicidade única.